Brasil

Chega de fake news: Orion não é o prédio mais alto do Brasil!

POR GBrasil | 03/11/2017
img/noticias/Chega de fake news: Orion não é o prédio mais alto do Brasil!
T

Tomada pelo desespero, a equipe de marketing do encalhado edifício Orion Business, em Goiânia, inventou uma mentira cabeluda para atrair investidores: a de que será o prédio mais alto do Brasil. Não é e nunca será.

 

Numa jogada inequivocamente desonesta, a turma do Orion procurou a revista Forbes e ofereceu a falsa informação como pauta. Ingênuos ou tomados pela preguiça - em uma semana de trabalho que foi encurtada pelo feriado, os jornalistas que assinam a revista republicaram esta propaganda fajuta sem tomar o cuidado de antes apurá-la com a prefeitura da Capital, que é quem tem cópia do projeto e que sabe informações reais e detalhadas sobre o prédio.  

 

A Forbes afirma que o Orion tem 191,48 metros, mas o GBrasil teve acesso à planta que se encontra nos arquivos da Secretaria Municipal de Planejamento (Seplanh) de Goiânia e constatou que o documentou crava uma metragem bem diferente: 139,63 metros. O que explica a diferença? O pulo do gato está no pináculo que sustenta um mastro com a bandeira do Brasil. A armação de ferro é o truque mambembe que permitiu à equipe de marketing inventar este boato. 

 

É somente por causa deste pináculo que se chegou à quantidade de metros necessários para colocar o edifício como o maior do Brasil, mesmo que temporariamente. O normal e aceitável em relação à altura dos prédios é contabilizar a estrutura de concreto do projeto arquitetônico, onde as pessoas podem circular. E esta, vale repetir, tem 139,63m.

 

 Tivesse feito uma apuração precisa, a revista Forbes informaria com correção que o sexto maior edifício a ser inaugurado em terras tupiniquins é o Kingdom Park Residence, na capital goiana, que ostenta 180,7 metros. Os cinco maiores do País estão em Balneário Camboriú (SC), a começar pelo impressionante Yachthouse, duas torres com 275 metros cada, a ser finalizado em 2019; o colosso vem seguido do One Tower (268m); do Infinity Coast (239m); do Epic Tower (190,5m); e da torre Millennium (184m).

 

O Kingdom Park é um monumento altíssimo não apenas na dimensão, mas no luxo; o empreendimento da Sim Engenharia, J. Virgilio e MA Construtora é tão-somente residencial e terá 52 pavimentos com pé-direito médio de 3,40 metro. O Orion, em comparação, tem apenas 43 andares. Se fosse edificado com pé-direito mais usual no mercado, de 2,72m, o Kingdom Park teria prá mais de 65 andares.

 

Com um apartamento por andar, situado na Nova Suíça, setor entre os mais nobres de Goiânia, as unidades do colosso goiano é disputadas a tapas pelos endinheirados do Estado (que não são poucos). A única cobertura, um dúplex de inimagináveis 793,45 metros quadrados, já foi arrematada por um famoso e remediado empresário do segmento educacional. As demais 45 unidades, uma por andar, ostentam 482,76 metros quadrados.

 

Somente o terraço outliving, com varanda lazer gourmet, possui 96,3 m² – o tamanho de um apartamento padrão comum. Por comparação, é possível dizer que não se trata de um simples apartamento, mas de uma mansão suspensa.

 

O Kingdom Park Residence, para além da exclusividade, é uma obra eminentemente goiana; do projeto arquitetônico aos cálculos, estes da caneta da respeitadíssima Colmeia Consultoria e Projetos Ltda., com autoria de Leonardo Martins Caetano e coautoria de Julinho Caetano de Almeida, Jales Almeida Silva, Marco Aurélio Tavares Caetano, Igor Araújo Torres e Pedro Nasser Caetano.

 

O concreto de alto desempenho (CAD) utilizado nos blocos de fundação e na estrutura demandou um estudo térmico para avaliação e controle das temperaturas geradas a partir das reações exotérmicas do cimento no processo de hidratação. Desafio agravado em razão das grandes dimensões das peças estruturais. "Um único bloco de fundação da obra consumiu 855 metros cúbicos de concreto, o equivalente a 107 caminhões betoneira", explica o engenheiro responsável pela obra, Hugo Alexandre. Só para a concretagem da última camada deste bloco, que recebeu 360 m³ de concreto, foram empregados 31 mil quilos de gelo, diz Hugo.

 

Todo o concreto empregado nos pilares da superestrutura recebem a adição de 80 quilos de gelo por metro cúbico. "Todo esse cuidado tem por objetivo evitar possíveis fissurações de origem térmica", afirma o engenheiro.

 

Só dois projetos não foram executado no Estado; um pela ausência de empresa especializada, e outro contratado junto ao renomado escritório de paisagismo Burle Marx.

 

O prédio foi o primeiro empreendimento de Goiás que passou por testes em túnel de vento, com um modelo na escala de 1/200, para determinar os carregamentos sobre a edificação em decorrência da ação do vento. As rajadas foram lançadas na proporção do dobro da média dos ventos mais fortes em Goiânia, que mal chegam aos 60kmh entre os meses de agosto e setembro. Para conferir maior precisão nos resultados, foram reproduzidos os edifícios em redor num raio de 150 metros. 

 

Apenas uma outra construção em Goiás teve o mesmo cuidado: a nova Basílica da Divino Pai Eterno, em Trindade, a capital goiana da fé, distante 18 quilômetros de Goiânia. "Nos custou R$ 100 mil", revela o diretor comercial da Sim Engenharia, o engenheiro Paulo Silas Ferreira. "Mas no fim economizamos R$ 240 mil com o ajuste das cargas", comemora. 

 

O Kingdom Park é também a primeira obra em Goiás feita inteiramente com o CAD, que confere maior resistência à edificação, e a atender a 100% da NBR 15.575, a última palavra em normatização técnica e que tem o intuito de conferir alta qualidade nas edificações nacionais. 

 

O concreto empregado na construção, após longo período de estudos e ensaios, foi o primeiro a atingir resultados tão elevados para o modulo de elasticidade do concreto (parâmetro utilizado para caracterizar a deformabilidade dos materiais) em Goiás. "Conseguimos atingir resultados superiores a 40GPa, o que à época era muito superior ao histórico da nossa região", revela Hugo Alexandre.

 

Em tempos de fake news, a Forbes deu exemplo do que não se deve fazer no jornalismo: publicou notícia sem checar na fonte. Tomou atalhos que expuseram-na ao erro. E o marketing do Orion deu um tiro no próprio pé, porque com a mentira deixou patente a dificuldade para vender suas unidades.

COMPARTILHE:

Notícias Relacionadas

Brasil 03/11/2017 Eleição custou de R$ 4,5 bilhões aos cofres públicos

Eleições deste ano só não foram mais caras que as de 2014, auge da corrupção envolvendo empreiteiras, que custaram R$5,1 bilhões.

Brasil 03/11/2017 Bolsonaro: há uma parte do governo Temer que funciona

Ministro das Cidades, Alexandre Baldy é o símbolo desta pequena parte do governo Temer que dá certo. 

Brasil 03/11/2017 Marcelo Aro tenta usar plantão no tribunal para reaver PHS

Aro perdeu o comando do partido para o goiano Eduardo Machado. Ele tenta usar plantão do TJ para atropelar juiz substituto.

Brasil 03/11/2017 Em dois dias, Baldy recebe parlamentares, prefeitos e lideranças de 15 estados

Em ritmo intenso de trabalho, o goiano e ministro das Cidades, Alexandre Baldy, atendeu, em apenas dois dias, representantes de 15 estados.

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as notícias do Brasil e do mundo com publicações realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do GBrasil oferece o melhor do conteúdo jornalístico exclusivo para você.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES
  • Show da Manhã - Jovem Pan-GO