Brasil

Direitos das mulheres avançaram em 2017, dizem ativistas

POR GBrasil | 28/12/2017
img/noticias/Direitos das mulheres avançaram em 2017, dizem ativistas
M

Manifestantes marcharam aos milhões, celebridades chamaram seus agressores de “porcos” e países do Chile à Índia aprovaram leis favoráveis às mulheres, fazendo de 2017 um ano marcante para os direitos femininos apesar dos contratempos, disseram ativistas.

 

Começando com a posse do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que rapidamente tentou restringir abortos em todo o mundo, 2017 funcionou como um lembrete para muitos de que os direitos das mulheres ainda têm um longo caminho pela frente.

 

Entretanto, as adversidades abriram caminho para uma nova era de resistência nos Estados Unidos e no resto do mundo, enquanto países do Oriente Médio, África e América Latina avançaram rumo ao fim da discriminação de gênero, segundo ativistas.

 

“Foi um ano de combate a leis discriminatórias”, disse a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, à Thomson Reuters Foundation.

 

Neste ano, Líbano, Tunísia e Jordânia revogaram leis que permitiam que estupradores evitassem punições caso se casassem com suas vítimas, uma medida que ativistas esperam que se espalhe para outros Estados árabes.

 

Em uma série de vitórias contra o casamento infantil, Malauí, Honduras, Trinidad e Tobago, El Salvador e Guatemala alteraram leis nacionais para proibir a prática, disse Mlambo-Ngcuka.

E na Índia, onde o casamento infantil é proibido, mas comum, parlamentares determinaram que ter relações sexuais com uma esposa que tenha entre 15 e 18 anos de idade é punível como estupro.

 

A expansão de Trump da lei que retém financiamento norte-americano a clínicas ou grupos estrangeiros que fornecem informações sobre aborto foi um golpe aos serviços de planejamento familiar e de saúde feminina em todo o mundo, disseram instituições de caridade.

 

Entretanto, em uma vitória para ativistas, o Chile legalizou o aborto em determinadas circunstâncias, deixando apenas um pequeno grupo de países que ainda proíbe totalmente a prática.

“Continuamos a ver progresso no avanço dos direitos humanos reprodutivos em uma atmosfera global hostil”, disse Lilian Sepulveda, do programa jurídico global Centro para os Direitos Reprodutivos.

 

Outros líderes de grupos de direitos das mulheres afirmaram que foi a resistência ao sexismo que tornou 2017 notável.

 

“Este ano também foi sobre mudar a narrativa --de uma que culpa, questiona e estigmatiza as vítimas para uma que responsabiliza os agressores”, disse Mlambo-Ngcuka. (da Agência Brasil)

COMPARTILHE:

Notícias Relacionadas

Brasil 28/12/2017 Nunca rejeição a Lula e Moro foi tão parecida, diz pesquisa

O máximo dessa diferença foi em dezembro de 2016, quando a desaprovação de Lula era 42 pontos mais elevada que a desaprovação de Moro.

Brasil 28/12/2017 Juiz que mandou soltar Lula é torpedeado no CNJ

Rogério Favreto responderá a pedidos de providência e reclamações disciplinares protocoladas na noite do domingo e durante esta 2ª feira.

Brasil 28/12/2017 Globo proíbe jornalistas de comentar política nas redes

Grupo Globo divulgou nesta semana as diretrizes de como os jornalistas da empresa devem utilizar as redes sociais. Veja íntegra.

Brasil 28/12/2017 Em palestra, Marconi sugere Meirelles vice de Alckmin

Declaração foi o primeiro aceno explícito da campanha tucana a Meirelles e ao MDB depois da chegada de Marconi à coordenação.

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as notícias do Brasil e do mundo com publicações realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do GBrasil oferece o melhor do conteúdo jornalístico exclusivo para você.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES
  • Show da Manhã - Jovem Pan-GO