Brasil

Maia diz que governo n√£o cumpriu papel de cortar despesas

POR GBrasil | 11/08/2017
img/noticias/Maia diz que governo n√£o cumpriu papel de cortar despesas
O

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira que a mudança da meta fiscal deste ano será "muito ruim" e significa que o governo não conseguiu cumprir seu papel de cortar despesas.

 

"Pelo visto o governo vai anunciar um aumento da meta, o que é muito ruim e mostra que o governo não teve condições de executar seu próprio Orçamento cortando despesas", disse Maia durante participação em evento na Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro.

 

Segundo fontes ouvidas pela Reuters, o governo anunciará na segunda-feira novas e maiores metas de déficit primário, que passarão a 159 bilhões de reais tanto para 2017 quanto para 2018, mesma cifra obtida em 2016.

 

As metas ainda vigentes para o governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência) são de um rombo de 139 bilhões de reais para este ano e 129 bilhões de reais para o próximo.

 

Maia disse ser contra a alteração na meta fiscal uma vez que o déficit mais elevado pode trazer implicações no endividamento do país, na confiança dos empresários e nas perspectivas de investimento.

 

“Fico desconfortável com o aumento da meta porque não é justo com a sociedade brasileira. Já temos déficit muito grande... sabemos que a crise econômica existe, houve redução de arrecadação, mas não é bom porque você sinaliza que o endividamento pode crescer e gerar dificuldade”, afirmou.

 

Segundo o presidente da Câmara, conseguir aprovar a reforma da Previdência minimizaria os efeitos negativos do aumento do rombo fiscal, uma vez que os gastos previdenciários são o principal peso para as contas do governo.

 

Como a tramitação da reforma da Previdência está parada desde o início da crise envolvendo o presidente Michel Temer em consequência das delações da JBS, em maio, Maia reconheceu que será uma tarefa difícil aprová-la em setembro, mas disse que vai trabalhar para convencer os parlamentares de que sem mudança nas regras previdenciárias o caminho pode ser o aumento de impostos.

 

“O Parlamento tem que escolher os caminhos e tributar a sociedade não é o caminho, mas temos despesas obrigatórias que crescem todos os anos. Precisamos enfrentar as despesas obrigatórias para não aumentar impostos”, afirmou Maia, reiterando, ainda, que a Câmara não vai apoiar o governo em nenhum tipo de aumento de impostos.

REFORMA POLÍTICA

Maia também avaliou como ruins algumas medidas aprovadas na comissão especial da Câmara para debater a reforma política.

Segundo ele, a criação de um fundo permanente para financiamento eleitoral dá uma sinalização negativa à sociedade em tempos de necessidade de ajuste fiscal, enquanto o modelo de voto majoritário para o Legislativo, conhecido como "distritão", precisaria de uma cláusula de desempenho para evitar a proliferação de mais partidos políticos.

 

Nesta semana, a comissão aprovou o Fundo Especial de Financiamento da Democracia, a ser utilizado para o financiamento das campanhas. Segundo a proposta, o fundo será formado por 0,5 por cento das receitas correntes líquidas do Orçamento, o que corresponde hoje a cerca de 3,5 bilhões de reais.

 

"Se o fundo tivesse começo, meio e fim seria de melhor entendimento pela sociedade, mas permanente não é bom”, avaliou. (da Reuters)

COMPARTILHE:

Notícias Relacionadas

Brasil 11/08/2017 Nunca rejeição a Lula e Moro foi tão parecida, diz pesquisa

O máximo dessa diferença foi em dezembro de 2016, quando a desaprovação de Lula era 42 pontos mais elevada que a desaprovação de Moro.

Brasil 11/08/2017 Juiz que mandou soltar Lula é torpedeado no CNJ

Rog√©rio Favreto responder√° a pedidos de provid√™ncia e reclama√ß√Ķes disciplinares protocoladas na noite do domingo e durante esta 2¬™ feira.

Brasil 11/08/2017 Globo proíbe jornalistas de comentar política nas redes

Grupo Globo divulgou nesta semana as diretrizes de como os jornalistas da empresa devem utilizar as redes sociais. Veja íntegra.

Brasil 11/08/2017 Em palestra, Marconi sugere Meirelles vice de Alckmin

Declaração foi o primeiro aceno explícito da campanha tucana a Meirelles e ao MDB depois da chegada de Marconi à coordenação.

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as not√≠cias do Brasil e do mundo com publica√ß√Ķes realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do GBrasil oferece o melhor do conte√ļdo jornal√≠stico exclusivo para voc√™.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES
  • Show da Manh√£ - Jovem Pan-GO