VocĂȘ tem que ler

Entrevista: A Ășltima viagem de Che Guevara

POR GBrasil | 10/10/2017
img/noticias/Entrevista: A Ășltima viagem de Che Guevara
p

por Lucas Ferraz, da Agência Pública

9 de outubro de 2017 | https://goo.gl/b55QMX

 

Nesta semana o argentino Ernesto Guevara de la Serna, que entrou para a história simplesmente como Che, será lembrado mundo afora em razão dos 50 anos de sua morte, em 9 de outubro de 1967.

 

Após a Revolução Cubana, em 1959, Che tornou-se um destacado membro do governo de Cuba e logo se transformou numa espécie de embaixador guerrilheiro do país mundo afora, participando de lutas fracassadas primeiro no Congo, em 1965, e depois na Bolívia, dois anos mais tarde, quando foi preso e executado.

 

Em 1953, ao lado do amigo de infância Carlos Calica Ferrer, quando acabava de se formar em medicina, Ernesto Guevara fez sua segunda e última viagem pela América Latina – ao final dela, no México, ele conheceria os irmãos Fidel e Raúl Castro e, ao lado de outros barbudos, faria história.

 

Nascido em 14 de maio de 1928 em Rosário, Argentina, Che se mudou com a família, quando tinha apenas 4 anos, para o pequeno município de Alta Gracia, na província de Córdoba, no norte da Argentina. A razão da mudança era o excelente clima da cidade encravada nas montanhas cordobesas, ideal para tratar doenças respiratórias como a asma, que atormentaria o futuro guerrilheiro por toda a vida.

 

Uma das primeiras crianças que Ernesto conheceu em Alta Gracia foi Carlos, um ano mais novo, cujo pai, médico, foi o primeiro a cuidar de sua saúde. Tornaram-se amigos de escola, de travessuras e de boemia. Em 1953, quando tinham 20 e poucos anos, eles fizeram uma viagem em que cortariam juntos, de carona, Bolívia, Peru e Equador, onde se separaram. Ernesto seguiu para a América Central, enquanto Carlos se radicou na Venezuela.

 

O giro com o amigo cordobês foi o último pela América Latina – o primeiro, com Alberto Granado, anos antes, seria retratado no cinema no filme Diários de motocicleta, de Walter Salles. Aos 88 anos, Carlos Calica Ferrer ainda vive em Buenos Aires, onde esta entrevista foi feita, no segundo semestre de 2011. Nela, ele conta sobre sua relação com Ernesto – como ele se refere ao Che até hoje – e histórias da viagem e da personalidade do amigo que se tornaria um dos rostos mais famosos do século XX.

 

Veja a entrevista de Carlos Calica Ferrer (clique na imagem para assistir ao vídeo):

COMPARTILHE:

NotĂ­cias Relacionadas

10/10/2017 BNDES prorroga dĂ­vidas de R$8,2 bi de 14 Estados

A renegociação deve acabar até 22 de dezembro

10/10/2017 Cobrança ilegal de mensalidade em colégios militares

Segundo Bom Dia, Brasil desta quarta, taxa cobrada pelas 36 escolas da PM no Estado varia de R$ 500 a R$ 600.

10/10/2017 Arrecadação de novembro veio acima do previsto, diz ministro do Planejamento

Ministro do Planejamento defendeu ainda que todos se beneficiarĂŁo do encaminhamento da PrevidĂȘncia ainda em 2017

10/10/2017 Empresas envolvidas em corrupção são impedidas de firmar contratos

A norma Ă© mais uma das açÔes do Governo do Estado para ampliar a transparĂȘncia

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as notĂ­cias do Brasil e do mundo com publicaçÔes realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do GBrasil oferece o melhor do conteĂșdo jornalĂ­stico exclusivo para vocĂȘ.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES
  • Show da ManhĂŁ - Jovem Pan-GO