Mato Grosso

Órgãos são proibidos de usar dinheiro público para festa de fim de ano

POR GBrasil | 17/11/2017
img/noticias/Órgãos são proibidos de usar dinheiro público para festa de fim de ano
E

Em virtude da proximidade de encerramento do ano, época das tradicionais festividades, a Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) reitera aos órgãos e às entidades do Governo de Mato Grosso que é proibida a utilização de recursos públicos para realização de confraternizações, compra de presentes, enfeites e outras situações similares. O alerta consta de Orientação Técnica n. 29/2015.

 

No trabalho, a CGE explica que as referidas despesas não têm nenhuma relação com o interesse público e, consequentemente, com a finalidade legal de aplicação dos recursos. Por isso, se efetivadas, podem ser sujeitas à glosa e configurar irregularidade grave ou gravíssima pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

 

Na Orientação Técnica, a Controladoria alerta também que é vedada a destinação de recursos públicos para clubes, associações, sindicatos de servidores e outras entidades de classe, conforme estabelece a Lei de Diretrizes Orçamentárias/2015 (LDO). “Implica dizer que os gestores responsáveis por salvaguarda de recursos e bens públicos encontram-se proibidos de fazer uso do erário público em benefício de entidades particulares”, diz a Controladoria.

 

O eventual descumprimento da proibição leva o gestor ou responsável pela destinação indevida dos recursos a responder por crime de improbidade administrativa (Lei Federal n° 8.429/1992), além de ensejar responsabilização administrativa disciplinar, cuja penalidade, se configurada a infração, é a demissão do serviço público.

 

Outro alerta da CGE aos gestores, ordenadores de despesas e demais responsáveis pela guarda de dinheiro público é que não admitam o patrocínio de fornecedores, prestadores de serviços ou empreiteiras para realização de festividades e confraternizações, pois isso pode produzir relação de “troca de favores”.

 

Segundo argumenta a CGE, essa “relação” contraria o dever funcional de “manter conduta compatível com a moralidade administrativa” estabelecido no Estatuto do Servidor Público Civil do Estado de Mato Grosso (Lei Complementar 04/90).

 

Além disso, contraria as proibições funcionais de “valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem” e de “receber propina, comissão, presente ou vantagens de qualquer espécie, em razão de suas atribuições”. No caso, as penalidades ao servidor que descumprir as regras podem variar de repreensão à demissão, após o devido processo legal.

COMPARTILHE:

Notícias Relacionadas

Mato Grosso 17/11/2017 Laudo mostra que água em Jaciara está própria para banho e prática de esportes

Primeiras análises químicas realizadas no Rio Tenente Amaral confirmam o que observação já apontava: água está em boas condições

Mato Grosso 17/11/2017 Prefeitura de Jaciara atua para garantir empregos gerados pela Usina Porto Seguro

Em reunião com vereadores, prefeito Abdo Mohammad decidiu manter Temporada de Esportes Radicais de Jaciara (TERJ) em setembro.

Mato Grosso 17/11/2017 Usina Porto Seguro repara estruturas e águas voltam à normalidade

Problemas pontuais nos tanques de contenção da empresa de resíduos foram sanados. Estado atesta eficiência das medidas.

Mato Grosso 17/11/2017 Dono da Caramuru fecha acordo de delação

Alberto de Souza se comprometeu a explicar fraude que transformou um auto de infração de R$ 65 milhões em multa de R$ 350 mil.

INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as notícias do Brasil e do mundo com publicações realizadas pelos melhores jornalistas do Brasil. A plataforma inteligente do GBrasil oferece o melhor do conteúdo jornalístico exclusivo para você.

ENVIAR
Obrigado por se inscrever em nosso site. Aguarde novidades!
ACOMPANHE AS NOSSAS REDES
  • Show da Manhã - Jovem Pan-GO